segunda-feira, 18 de março de 2013

Pão-de-Mel - Rachel Cohn

Bom dia, leitores como estão?

A resenha de hoje é do livro Pão-de-Mel da autora Rachel Cohn é um livro de literatura estrangeira. Vou dizer a princípio que o livro me agradou em boa parte e desagradou em uma só, quando toca no tema aborto. Isso não é um spoiler, isso é comentado algumas vezes durante o enredo e não é o foco principal da  personagem.


Título: Pão-De-Mel
Autora: Rachel Cohn
Páginas: 220
Editora: Galera Record
Gênero: Romance Infanto Juvenil
Sinopse: Depois de ser expulsa do colégio interno, a selvagem, obstinada e viciada em café Cyd Charisse volta a São Francisco para viver com a mãe e o padrasto. Mas para ela, não há como sobreviver neste lar imaculado: Cyd quer ser livre, e não se importa em quebrar as regras. Mas quando sua rebeldia sai do controle, seus pais a despacham para Nova York para passar o verão com seu pai biológico, Frank. O que ela não esperava era que o verão na cidade não corresse como ela planejara - e Cyd está longe de ser o que a nova família imaginava.
O livro conta a história de Cyd Charisse uma adolescente problemática de 16 anos, mora em São Francisco, tem uma vida sexual ativa, muitas confusões de sentimentos.

Cyd Charisse tem o nome de uma dançarina que sua mãe gostava na época, filha de Nancy uma mulher que tenta salvar sua filha que não a compreende para o pai Frank, que mora em Nova York e pediu para que a garota passasse uns dias com ele. Cyd está vivendo um romance com Siri, conheceu ele cumprindo trabalho voluntário após ter sido pega roubando algumas coisinhas. Ela estava orgulhosa de si mesma, conheceu Pão-Doce, sua melhor amiga uma senhora que lê tarô. Após uma desilusão amorosa, um castigo em seu quarto tudo o que mais queria era conhecer seu pai de verdade, e seu desejo foi atendido sua mãe a manda para Nova York e lá ela consegue resgatar uma parte de sua vida que vivia no escuro. E que talvez atrapalhasse essa busca de seu eu. De se encontrar e ser uma garota normal.

Como comentei no início a Cyd, fez um aborto uns meses antes de conhecer Siri, namorava o cara mais bonito do colégio e com os hormônios a flor da pele aconteceu o indesejável, porém evitável. Sozinha nessa situação, ligou para seu pai, em um dos escassos contatos que tinha com ele e pediu dinheiro para livrar a barra, essa conversa acontece primeiramente com Pão-Doce que está lendo o tarô para ela. E foi abordado como um tema simples e normal, abortar... Por exemplo: Não tenho condições, acho que minha mãe não vai ajudar ou meu namorado não vai me ajudar e essa é a única saída. E nessa situação foi sexo consensual, então para não estender o assunto, nesse caso nunca poderia precisar de um aborto. Quer dizer, um livro para mim, é um exemplo, não a ser seguido todas às vezes, vejam bem. Um livro é como um filme. Vemos e ficamos impressionados, apaixonados, cheios de idéias e muitas vezes motivados. Se eu leio um tema desse abordado de forma natural, naturalmente eu cederia a ideia de um aborto. E acho que não é bom, uma menina que está muito confusa, ler livros assim. É fato também que hoje os adolescentes têm vida sexual ativa e no livro não deixou de ser diferente. Porém a parte boa é que ela aprendeu a lição e se cuida, usa métodos anti-contraceptivos, como a camisinha e a pílula. Mesmo assim. Fiquei reticente.

"Aqueles que chamo de pais detestam meu namorado, Siri. Nem sei se acreditam que ele é meu namorado. Só de olha para o seu visual largado, de camiseta de surfe, e jeans caído, comendo biscoitos Pop Tart, com o cabela espetado, já dá para ver a confusão explodindo como bombas nas suas cabeças, como se pensassem "Ah, não, Cyd Charisse, esse rapazinho não é para você.
Mas garanto que é."

Página 9 Capítulo 01

"Então talvez Frank e eu tenhamos começado a nos aproximar durante um programa sobre uma bruxa e o incrível jantar de frango da Senhorita Loretta, mas quando acordei no dia seguinte ao meio-dia..., Frank tinha saído. Havia um bilhete na geladeira...Presa ao bilhete havia uma nota de cinqüenta dólares que eu arranquei da geladeira, e joguei no lixo, picada em pedacinhos.

Página 117 - Capítulo 22

O final do livro, não deixou a desejar. Condizente com os acontecimentos expostos durante a narrativa. Eu recomendo, o livro fala das confusões que passam na cabeça de uma menina de 16 anos que não foi criada em um ambiente seguro. Mas que vai se restabelecendo e mudando o destino da sua vida. Eu recomendo é uma boa leitura, não é algo que vai fazer chorar de emoção, mas é um livro que nos traz uma lição de vida, uma moral da história. 

O que eu gostei também de saber, é que o livro tem continuação, tem mais dois livros.

Sinopse: Depois de ter aprontado em Nova York e conhecido seu pai biológico e irmãos, Cyd Charisse está de volta a São Francisco. Ela aposenta sua boneca predileta, faz novas amigas e está se esforçando na escola. Mas, como sempre, Cyd está disposta a deixar isso de lado só para reconquistar Siri, seu grande amor. Será que dessa vez uma nova e madura Cyd está prestes a aparecer?







Sinopse: Cyd Charisse conseguiu seu diploma e completou a primeira fase do Plano para sua nova vida. Aos 18 anos, ela mora em Nova York, no quarto vazio do apartamento do seu meio-irmão Danny, longe dos pais (e de suas regras), mas também das amigas Pão-Doce, Helen e Autumm... A Pequena Rebelde pensa em se inscrever num curso de culinária, e está determinada a encontrar o melhor cappuccino da sua nova cidade; algo que lembre Siri e a antiga vida dos espressos espumados de São Francisco. Ah, e por falar no ex-namorado surfista, a peça chave do novo Plano é não sofrer porque abandonou seu grande amor para que ele pudesse ir morar na Nova Zelândia, e assim aproveitar o que Manhattan tem a oferecer (ou seja, meninos bonitos e interessantes). 
Na busca pelo capuccino perfeito, CC quebra o pé - ISSO NÃO ESTAVA PLANEJADO! (Mas ao menos é atendida por um paramédico lindo) - e, por fim, é atraída pelo aroma divinal de café a uma loja nada sofisticada, onde acaba sendo contratada como barista. Uma profissão adequada para alguém viciado em cafeína... Cyd parece estar mais madura e consciente de suas escolhas, mas será que a Big Apple está realmente preparada para ela? 

Depois de Pão-de-mel e Siri, Rachel Cohn encerra a série, mantendo a irreverência e o bom humor. Em Cupcake, Cyd tem que aprender a enfrentar os dilemas de quem está começando uma vida adulta, e a conviver com a sua segunda família, os novos amigos e... Siri, que pode surpreendê-la em nome do amor. 

Um pouco sobre a autora:



Biografia: 

"A verdade é que as coisas mais interessantes na minha vida tende a emanar de minha imaginação e, em seguida, aparecem nos livros - a vida real, nem tanto. Mas no interesse de Ye Olde Book Report, aqui é a informação básica.

Nasci em 14 de dezembro de 1968 em Silver Spring, Maryland. Eu cresci na área de DC (Maryland suburbano), mas também passou os verões da minha infância em Massachusetts ocidental com os meus avós, então eu meio que sinto que estou a partir de dois lugares.

A partir do momento que eu aprendi a ler e escrever que eu estava sempre tentando criar histórias. Eu cresci cercado por livros e pela família que eram educadores - o desejo eo incentivo para escrever veio rapidamente em minha casa."

E é isso, espero que gostem da minha resenha e não deixem de comentar, alguma sugestão para meu sorteio de um ano de blog?

11 comentários:

  1. Minha professora conhece essa autora, ela é orima!

    @esteffanifontes, parceira e autora do blog:
    ossegredosdelandara.blogspot.com.br

    Vem conhecer "Os Segredos de Landara" (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa que legal! Conheci e estou participando de uma promo! Beijnhos

      Excluir
  2. Oi Irinia!!
    Noossa, senti a maior nostalgia agora! eu li esse livro faz teeempo hehee e fiquei encantada :) Rachael Cohn tem uma habilidade de escrita espetacular! achei fofo como a capa, que foi o motivo que me levou a ler o livro ^^ Um de seus livros bastante elogiados e que se tornou filme é Nick e Norah, que infelizmente ainda não tive oportunidade de ler. Não terminei de ler a série e não lembro o porquê haha vou procurar os demais livros agora e ver se consigo retomar essa leitura abandonada ^^ adorei a resenha!
    Sugestão para sorteio?! Ahh eu tô querendo muito Garota Exemplar :D
    beeijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vi esse livro durante as pesquisas. Não li a sinopse mas deve ser bom também, para virar filme. Obrigada pelo elogio e fico feliz que tenha te trazido algo de bom! Hahaha adoro resenhas que me fazem lembrar de algo da minha adolescência. Beijinhos

      Excluir
  3. Olá, parabéns pelo blog!
    Sua postagem ficou legal, mas não me interessei pelos livros.
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo, mas fico feliz que vc tenha gostado da resenha mesmo assim! beijos

      Excluir
  4. Olá, querida!
    Eu curti muito sua resenha e apesar das três estrelas, quero ler.
    Eu adoro esses temas mais fortes, sabe? Apesar de mexer bastante comigo rsrs tem um que eu adoro que é Não Conte para a Mamãe, é muito triste :/
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, é as três estrelas classificou ele como bom, mas é um bom legal e não um bom chato. haha Já vi esse livro, logo vou ver se compro, beijos

      Excluir
  5. Então gente boa, coloquei seu blog na frente do layout para ficar visível, ok? Beijos. EStá na parte inferior.

    ResponderExcluir
  6. Que legal conhecer um pouco mais sobre Pão-de-Mel! Juro que nem passava pela minha cabeça o tema aborto nesse livro. E quem poderia imaginar!

    Parabéns pela resenha!
    Beijos
    http://glowofthemoonlight.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Gostou do post?
Curta , comente e compartilhe!
Deixe seu link e eu retribuo!

Beijos e até a próxima!

Irinia Zachello